Textos‎ > ‎

Outros autores

ADORNO, Theodor W. & HORKHEIMER, Max. A indústria cultural In: Dialética do Esclarecimento, (1947).

ALABARCES, Pablo. Posludio: música popular, identidad, resistencia y tanto ruido (para tan poca furia). In Revista Trans n.12. Barcelona: SibE, 2008.

ARAÚJO, Samuel. O fruto do nosso amor. In: Lendo música: 10 ensaios sobre 10 canções. Arthur Nestrovski (org.). São Paulo: Publifolha, 2007.

BLACKING, John. Música, cultura e experiência. In Cadernos de Campo n.16. São Paulo: USP, 2007.

BLACKING, John. How musical is man? Washington, EUA: University of Washington Press, 1973. 

BRITO, Jommard Muniz de. Critica: pra quê? In: Laboratório: cultura e crítica. Recife: OLaboratório, 2010.

CONNOR, Steven. Teoria e valor cultural. São Paulo: Loyola, 1994.

DENORA, Tia. Music in everyday life.Cambridge/NovaYork: Cambridge University Press, 2004.

FABBRI, Franco. A theory of musical genres: two applications. In: Popular Music Perspectives. Göteborn and Exter: IASPM, 1982.

FRITH, Simon. Look! Hear! The uneasy relationship between music and television. Popular music v.21, n.3. Cambridge University Press, 2002, pp. 277-290.

HERSCHMANN, Micael e FREIRE FILHO, João. Funk carioca: entre a condenação e a aclamação pela mídia. Revista Eco-Pós v. 6 n.2, Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

JANOTTI Jr., Jeder e GOMES, Itânia M. Comunicação e estudos culturais. Salvador: EdUFBA, 2011.


JANOTTI Jr., Jeder, SOARES, Thiago. O videoclipe como extensão da canção: apontamentos para análise. In Revista Galáxia n.15. São Paulo: PUCSP, 2008.

PAULUS, Irena. Williams versus Wagner or an attempt at linking musical epics. In International Review of Aesthetics and Sociology of Music. v.31 n.2. Croatian Music Society, 2000.


PRYSTHON, Angela. Tropicalia: o cosmopolitismo pop do Terceiro Mundo. In Revista Graphos v.11 n.1. João Pessoa: UFPB, 2009.

QUINTERO RIVERA, Angel. Salsa, sabor y control. Mexico/Espanha: Siglo Vienteuno, 2005. pp. 32-39.


SÁ, Simone Pereira de. Mediações musicais através dos telefones celulares. Anais Intercom 2005. Rio de Janeiro, UERJ, 2005.

STEFANI, Gino. Uma teoria de competência musical. (trad. Martha Ulhôa). Revista Música e Cultura. Rio de Janeiro: ABET, 2007.

STRAW, Will. Systems of articulations, logics of change: communities and scenes in popular music. In: Cultural Studies, v.5, n.3. Abingdon, UK, 1991.

STRAW, Will. Scenes and sensibilities, In E-Compós, v.6. Brasília: Compós, 2006.

TAGG, Philip. Musicology and the semiotics of popular music. In Semiotica, 1987.

TAGG, Philip. Analysing popular music: theory, method and practice. In; Popular music v. 2, London: Cambridge, 1982.


ULHÔA, Martha. Pertinência e música popular: em busca de categorias para a análise da música brasileira popular. In Anais III Congresso IASPM-AL. Bogotá, Colômbia, 2000.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido (Apresentação e Parte I). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.